Já ouviu falar de hacking na cadeia de suprimentos?
 

Já ouviu falar de hacking na cadeia de suprimentos?

Ataques ou violações em cadeias de suprimentos preocupam empresas de todos setores. Quais atividades existem desde a compra com os fornecedores até a entrega do produto final? Em quais etapas estão possíveis falhas? O que é hacking na cadeia de suprimentos?

Supply chain, em inglês, é conhecido por cadeia de suprimentos. A atividade consiste na organização de todo sistema do negócio. Pessoas, atividades, informações e recursos envolvidos no transporte de produtos ou serviços, dos fornecedores aos clientes.

Altamente utilizada por diversos setores, elas também apresentam falhas de segurança que podem prejudicar toda estrutura das empresas e oferecer riscos enormes. Em uma pesquisa publicada pela BlueVoyant, foi detectado que 80% das organizações tiveram uma violação causada por um de seus fornecedores.

Negócios lidam todos os dias com riscos físicos e ameaças à segurança cibernética. Saiba tudo sobre hacking na cadeia de suprimentos e descubra como se preparar contra possíveis ataques.

Gestão da Cadeia de Suprimentos

 

Para entender melhor a gestão da cadeia de suprimentos livre de ataques de hackers, é preciso identificar em quais processos estão possíveis vazamentos. 

Em todas etapas, sem exceção, medidas de prevenção precisam ser inseridas. Veja só:

  1. Fornecedores de Qualidade: quais fornecedores se preocupam com a segurança de compartilhamento de informações? Eles atendem os pré-requisitos de qualidade e segurança? Foque em encontrar os melhores do segmento e tenha uma relação de parceria com eles, garantindo que da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais seja cumprida;
  2. Padronização de Processos: assim que encontrar a forma com que a cadeia de suprimentos funciona bem, documente os processos. Eles serão um guia para que tudo funcione conforme foi pré-estabelecido e evita imprevistos. Compartilhe com fornecedores onde eles se encaixam e quais as obrigações com relação aos dados;
  3. Comunicação: algumas empresas ainda falham na hora de estabelecer uma comunicação eficiente. Isso pode ser evitado com interações rápidas, eficientes e focadas em solução de problemas;
  4. Automatização de Processos: tarefas repetitivas tornam os processos mais lentos. Para ter uma gestão eficiente, muitas empresas automatizam os processos com  softwares de gestão para controle de estoques e tecnologias para organização de dados, por exemplo. É importante ter atenção em quais automatizações não poderão causar perdas e riscos aos documentos empresariais. 

 

Na maioria das vezes, fatores externos impactam as empresas. No caso de hacking na cadeia de suprimentos, muitos deles podem ser evitados com boas práticas de segurança. 

Armazenamento na Nuvem em Cadeia de Suprimentos

 

O armazenamento na nuvem, Cloud Computing, levou eficiência para empresas de todo o mundo. Com a tecnologia, dados e processos digitalizados são guardados em “espaços virtuais”, gerando economia de tempo e espaço em negócios físicos. Enquanto a transformação digital ganha cada vez mais adeptos, surgem novas preocupações. Uma delas é com relação aos possíveis vazamentos e cibersegurança.

Nenhuma empresa deseja ter dados de supply chain vazados. Um pequeno deslize nas operações pode expor dados sensíveis, como: negociações, faturamento, contatos de clientes e muito mais. 

Imagine um cenário onde determinada empresa compartilha diagnósticos automáticos com um fornecedor de manutenção preventiva. Ao enviar o relatório, invasores “hackers” conseguem ter total conhecimento de pontos fracos empresariais e prejudicam toda estrutura do negócio.

Para evitar tais imprevistos negativos, você precisa ter pontos de atenção nos processos tecnológicos realizados pela empresa. Conheça os principais:

  • Softwares ou firmwares;
  • Dispositivos semicondutores e capacidade de processamento de dados
  • Componentes ou dispositivos que possuem memória interna;
  • Componentes ou dispositivos que executam funções de entrada e saída de dados.

Além dos citados acima, é preciso pensar em todo ciclo de vida dos dados, mantendo-os potencialmente confidenciais seguros. Não vai mais utilizar um equipamento? Como será a limpeza das unidades e reciclagem segura das peças? Este também é um ponto importante!

Como evitar hacking na cadeia de suprimentos? 

 

É necessário compreender onde estão os riscos no ecossistema digital da cadeia de suprimentos. Em seguida, adaptar os controles de acordo com os pontos críticos e, depois, colaborar com os envolvidos no processo para diminuir os riscos.

Recentemente, o vice-presidente da Opus comentou que, se uma empresa avalia as políticas de segurança e privacidade de todos os seus fornecedores, a probabilidade de violação cai de 66% para 46%. É hora de ter um perfil colaborativo e ágil para criar um ambiente seguro para todos.

A linha ThinkShield da Lenovo, foi desenvolvida com uma gama de soluções de segurança, que mantêm consumidores e os negócios mais seguros, mesmo quando os dispositivos não serão mais utilizados. 

A proteção inclui identidades e credenciais dos usuários de dispositivos com base em autenticadores certificados e tecnologia de impressão digital e portas USB inteligentes. Tudo isso mantém os computadores e notebooks da empresa seguros.

Chega de correr riscos com hacking na cadeia de suprimentos. Faça agora mesmo uma cotação!

melhor prevenir do que remediar